ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E SERVIÇOS PARA EXCELÊNCIA DA REPARAÇÃO AUTOMOTIVA.
“Representação pra valer”

Consultoria Jurídica, Artigos

PAGAMENTO DE VALE-TRANSPORTE EM DINHEIRO

De acordo com o artigo 5º da Lei do VT, "A concessão do benefício ora instituído implica a aquisição pelo empregador dos Vale Transporte necessários aos deslocamentos do trabalhador no percurso residência-trabalho e vice-versa, no serviço de transporte que melhor se adequar".

O empregador deve arcar com as despesas de transporte que excedam 6% do salário-base do funcionário. Até essa porcentagem, pode ser efetuado o desconto no salário.

O valor referente ao VT não é incorporado ao salário, e ainda:

 a) não tem natureza salarial, nem se incorpora à remuneração para quaisquer efeitos;

 b) não constitui base de incidência de contribuição previdenciária ou de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço;

 c) não se configura como rendimento tributável do trabalhador.

O Vale-Transporte pode ser pago em dinheiro? SIM

A despeito da lei 7.418/85, que regulamenta a Lei do VT, a Convenção Coletiva de Trabalho do SINDIFUPI-SP autoriza o adiantamento em dinheiro do valor relativo ao vale-transporte.  

Cláusula 61

No atendimento as disposições da Lei nº 7418, de 16/12/85, com redação dada pela Lei nº 7.619, de 30/9/87, regulamentada pelo Decreto nº 95. 247 de 16/11/87 as empresas representadas pelo Sindicato Patronal acordante, que concedem aos seus empregados o vale transporte, poderão, a seu critério, creditar o valor correspondente através de folha de pagamento ou em dinheiro, até o prazo previsto na cláusula nº 12 (pagamentos de salário/vales).

 

Na superveniência de aumentos de tarifas após o pagamento, as empresas efetivarão a competente complementação no prazo de 5 (cinco) dias úteis;

 

A importância paga sob esse título não tem caráter remunerativo ou salarial.    

 

   

Retornar

Rua Nova Jerusalém, 1092, Tatuapé
Cep 03410-000, São Paulo, SP
11-3791-8096 - 2221-0489
contato@abraesa.org.br